quarta-feira, 16 de agosto de 2017

A vida de um trabalhador ecoporanguense

Crônicas são, geralmente, narrativas que possuem particularidades de nosso dia a dia.  Pensando nesse conceito, os alunos do 9º ano do Ensino Fundamental da EEEFM "José Teixeira Fialho" escreveram textos desse gênero textual, se embasando no cotidiano do Ecoporanguense.
Ecoporanga é um dos municípios que mais produz matéria-prima para rochas ornamentais no Espírito Santo e para essa processo de escrita usaram como base, o material da Rede Estadual de Ensino, CTS (Ciências, Tecnologia e Sociedade), Reféns do mármore.

Aprecie o texto da Gisele Oliveira Paixão sem moderação!

A vida de um trabalhador ecoporanguense 

Eu, Pedro, moro no município de Ecoporanga e trabalhei numa pedreira da cidade.

Meu dia a dia era bastante corrido! Para começar a trabalhar tinha que usar todos os equipamentos necessários para a minha segurança. Minha função específica era trabalhar como marteleiro: quebrava as pedras, aproximadamente 09 metros de fundura. Depois desse processo eu colocava bomba para explodir as pedras, mas temos que saber colocá-la corretamente nos buracos, porque se não posso causar um acidente.

Já trabalhei em pedreiras que fecharam e fui dispensado e outros colegas foram mandados para outras cidades, só que não foi o meu caso. Eu trabalhava desde 2015, só via minha família nos finais de semana. Não compensava pagar aluguel, até porque não  temos uma casa própria.

Ano passado a empresa que eu trabalhava estava entrando em um período de decadência e mandaram a maioria dos funcionários irem embora. Esse ano saiu do período da crise financeira e estão fichando mais profissionais.

Hoje em dia, estou trabalhando como vaqueiro e “panho” café na época, mas não tenho carteira assinada. A causa por eu não ter um emprego melhor é a falta de estudos. Parei de estudar na 6ª serie, eu precisava ajudar a colocar dinheiro em casa. Meu pai morreu cedo, e sou o único filho homem da família.

Minha única opção foi trabalhar na roça, não é muito legal, mas dá para sobreviver e ajudar a minha mãe.

Por: Gisele Oliveira Paixão
Correção por: Rodrigo Dantas.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

ALUNOS DA EEEFM “JOSÉ TEIXEIRA FIALHO” PARTICIPAM DO 2º ENCONTRÃO DE ESTUDANTES EM DOMINGOS MARTINS/ES

ALUNOS DA EEEFM “JOSÉ TEIXEIRA FIALHO” PARTICIPAM DO 2º ENCONTRÃO DE ESTUDANTES EM DOMINGOS MARTINS/ES


   Nos dias 2 e 3 de agosto aconteceu 2° Encontrão de Estudantes do programa “Jovens de Futuro”, desta vez no município de  Domingos Martins. A segunda edição do evento contou com mais 450 pessoas – alunos e gestores. E a nossa Unidade de Ensino participou com os alunos Ryan e Letícia, da 2ª série do Ensino Médio, juntamente do gestor, Jailson Mauricio Pinto.
   O evento teve como  tema “Diálogos sobre Gestão Escolar 2017”. No primeiro dia os alunos foram divididos em grupos e realizaram tarefas dinâmicas. Dando sequência a essas atividades,  os alunos assistiram a película  “ Nunca me sonharam” – documentário onde  diversos jovens fazem depoimentos de situações de escolas de todo o país, inclusive do Espírito Santo. que falam sobre as dificuldades que enfrentam para estudar. Após este momento, os alunos puderam sentar com outros estudantes para um espaço de intercâmbio cultural e troca de experiências.
   No dia seguinte, após o café da manhã, houve a iniciação das gincanas e atividades. Várias propostas foram feitas aos alunos. Nas quais, as mesmas  poderia escolher um grupo com o assunto que eles mais se  familiarizassem . As tarefas  que mais se destacaram foi a produção de fanzines, teatro e vídeos de bolso.
   Agora os estudantes reproduzirão para seus colegas as atividades feitas em Domingos Martins, dando foco à parte prática do Encontrão.
 







sábado, 29 de julho de 2017

SARAU CULTURAL: UMA HOMENAGEM AO ESCRITOR PAULINO LEITE

Em Ecoporanga-ES o acesso à cultura ainda é limitado. O município tem apenas uma biblioteca pública e os eventos culturais que acontecem, geralmente, são na sede da cidade e as pessoas que moram em distritos não conseguem apreciar ou ter acesso.
Pensando nessa questão de valorização cultural e buscando artifícios capazes de instigar os hábitos de leitura e escrita, a EEEFM “José Teixeira Fialho” promove o 1º Sarau Cultural da instituição, no dia 27/07 que homenageou o escritor ecoporanguense Paulino Leite e o distrito de Imburana. A ideia foi produzida numa conversa entre o gestor da Instituição e o professor de português no início do corrente ano letivo e se tornou ação do Programa Jovens de Futuro.
Sarau é uma festa de cunho literário que promove atividades culturais: música, dança, recitação de poesia, monólogos... Na oportunidade, Paulino Leite – o homenageado da festa – apresentou seus livros e contou histórias de uma Imburana que muitos dos jovens ali não conheciam. O autor ainda expôs que está escrevendo uma obra contemplando o distrito de Imburana – ressalta-se que as narrativas de Paulino são feitas em versos e muitas vezes cantadas pelo próprio escritor.
Esse projeto não veio apenas somar no desempenho escolar dos educandos, mas fomentar a valorização da própria cultura deles.  No evento, moradores importantes da região foram emocionar com suas histórias: Senhor Sebastião Capim, Dona Jandira e Clerão – é a comunidade participando do processo de ensino-aprendizagem.
Edilson Sanfoneiro e seu neto também se apresentaram num pequeno duelo de sanfonas e Paulino emocionou ao cantar e contar a história de outras personagens que realmente existiram e deixaram sua marca ali.
Os alunos da 3ª série do Ensino Médio, juntamente da coordenação escolar, deixaram o ambiente num clima mais rústico e os professores da área de Linguagens e Códigos promoveram as apresentações.
O sarau cultural vem para contribuir no desempenho escolar e cidadão dos alunos, pois as atividades desenvolvidas no evento tem incentivado a leitura, a escrita e a expressividade na troca de saberes construídos historicamente –  estes que são poucos socializados nos dias hodiernos. Espera-se fortalecer essa prática e promover novos saraus na José Teixeira Fialho. Crê-se que a concretização desse projeto impactará cultural e socialmente para que se mantenha viva a cultura local. 

Por: Rodrigo Dantas.














terça-feira, 18 de julho de 2017

EEEFM José Teixeira Fialho faz Jornada de Planejamento Pedagógico sobre a Portaria Nº 065-R, de 31 de maio de 2017

EEEFM José Teixeira Fialho faz Jornada de Planejamento Pedagógico sobre a Portaria Nº 065-R, de 31 de maio de 2017

Visando melhor compreensão da Portaria Nº 065-R, de 31 de maio de 2017, a direção da EEEFM José Teixeira Fialho, juntamente com a equipe fez uma leitura de cada um dos itens nela contidos, respeitando e fazendo ponderações com os professores para melhor compreensão e aplicação da mesma na prática. Logo de início a direção deu às boas-vindas há todos os presentes, em seguida foi feita a leitura da circular de nº47, de 26 de junho de 2017. O estudo da circular compreende a Portaria Nº 065-R, de 31 de maio de 2017 que estabelece normas complementares e orientações referentes às modalidades de estudos de recuperação e ajustamento pedagógico dos estudantes das escolas da Rede Estadual de Ensino do Estado do Espírito Santo.
A referida versa no Capítulo I que é de oferta obrigatória pela escola a Recuperação Paralela, que deverá ser desenvolvidos ao longo do trimestre letivo com atividades de recuperação, mostra que compete ao professor identificar os estudantes que necessitam da mesma; o Capítulo II: Recuperação Trimestral nos mostra quando isso será desenvolvido: nos dois primeiros trimestres letivos do ensino regular, nos períodos determinados na portaria do calendário Escolar.
 E quando a Recuperação Paralela não for suficiente para o estudante alcançar resultado satisfatório, compete ao Diretor, ao pedagogo e aos professores garantir ao estudante pontuação igual ou superior a 60%, referente à pontuação total prevista para o trimestre, a participação é facultativa nesse processo de recuperação.
No Capítulo III: Recuperação Final mostra que, esta será proporcionada no final do ano letivo com atribuição de valor correspondente a 100 pontos e destinada a estudantes que não alcançaram o mínimo de 60% da pontuação prevista para aprovação.
O Capítulo IV: Estudos Especiais de Recuperação diz que os instrumentos avaliativos terão início ao final do segundo trimestre letivo de cada ano, mas que não se aplicam aos casos de frequência mínima (75%) exigida para promoção. Também será ofertada aos estudantes que não lograram êxito em até duas disciplinas após a Avaliação da recuperação final, corresponde a 100 (cem) pontos, será ofertada conforme data determinada na portaria do calendário escolar.
O Capítulo V: Classificação expõe que este processo avaliativo pode ser realizado pela unidade de ensino em qualquer época do ano letivo, objetivando posicionar o estudante no ano/série, segundo seu nível de conhecimento e de desempenho com exceção do 1º ano do Ensino Fundamental A escola deve registrá-la no livro de Registro de Classificação.
Ao analisar o Capítulo VI: Reclassificação entende-se o processo pelo qual a unidade de ensino avalia o grau de conhecimento do estudante, para encaminhá-lo ao ano/série de estudo compatível com sua experiência e desenvolvimento – independente dos registros contidos no seu histórico. Ficou exposto que não se aplica Reclassificação aos estudantes do 9º ano Ensino Fundamental e 3ªSérie do Ensino Médio. Essa configuração também deve ser registrada no livro de Registro de Reclassificação, no histórico escolar, diário de classe e nas atas de resultados finais.
O Capítulo VII Avanço Escolar mostra a possibilidade de o estudante cursar o Ano/Série seguinte à que se regularmente matriculado, mediante verificação do aprendizado.  Precisam ser assegurados o ajustamento do estudante e o prosseguimento natural de seus estudos. Ficou exposto que não é permitido o avanço escolar do Ensino Fundamental para o Ensino Médio, mas que o mesmo pode ocorrer em qualquer época do ano letivo, desde que sejam feitos os registros em livro de Registro de Avanço Escolar no histórico escolar, no diário de classe e nas atas de resultados finais.
A equipe aproveitou o momento para discutir a respeito de educandos que solicitaram/ precisam de algum desses instrumentos avaliativos para se adequarem aos processos de ensino.
Percebe-se que esta Portaria é de extrema importância, pois a mesma veio padronizar e regulamentar vários processos que eram realizados na escola, mas que não tínhamos um respaldo embasado em Leis Estaduais e Federais como agora.
Concluíram o estudo desta Jornada Pedagógica expondo os pontos positivos, negativos que norteiam o processo de ensino, assim como suas expectativas para o final deste ano.
Ao término, foi realizada uma dinâmica onde cada profissional usando um rolo de barbante lançava o mesmo para um dos integrantes da equipe que estava posicionada em círculo e fazia uma pergunta. Esse, por sua vez respondia e fazia outra pergunta a outro membro do grupo. Ao final o diretor escolar fez a seguinte pergunta: Quais são os pontos positivos e negativos e o que representa para você ser integrante da equipe da EEEFM José Teixeira Fialho?

Texto: Adenilza Paula Denardi
Revisão: Rodrigo Dantas, Jailson Mauricio Pinto.





















quinta-feira, 6 de julho de 2017

ESCOLA JOSÉ TEIXEIRA FIALHO REPRODUZ PRIMEIRO ENCONTRÃO DA SRE DE BARRA DE SÃO FRANCISCO

Nesta quarta-feira (4),  aconteceu primeiro encontrão de estudantes que levou este título“SONHAR É BOM, REALIZAR É MUITO MELHOR”, onde o professor Rodrigo Dantas de Língua Portuguesa e os alunos da 1ª série do Ensino Médio ornamentaram e organizaram a escola para as diversas dinâmicas. Contamos com a presença de duas representantes da Superintendência de Barra de São Francisco Aurinéia e dois ex-alunos da escola, Arielly Ribeiro Correia e Luís Alberto Dal’Col Stinghel que passaram por diversas dificuldades para alcançar suas metas, eles também falaram da importância de não desistir dos seus sonhos. Alguns professores deram seus depoimentos de como foi difícil a chegada até a faculdade Alguns professores também fizeram algumas falas, como o professor de matemática Jardel Carnielli que falou sobre sonhos e como é importante sonhar, o professor de educação física Marcos falou de sua trajetória até conseguir fazer a faculdade que desejava. Na oportunidade, o professor de química Pábio propôs estágios e ajuda para quem precisar de oportunidade na área de bioquímica e farmácia. A professora do Ensino Fundamental, Lidiane Gabriela, contou uma história bíblica e a coordenadora o matutino também deu um depoimento de vida.
Além dos vários depoimentos, tivemos algumas apresentações de música, momentos de descontração e dinâmicas uma delas que faziam com que os alunos escrevessem em um papel o que queria de mudança em sala para melhor aprendizado e outra era escrever seu sonho em uma flor e montar uma árvore com o sonho de cada um, árvore essa que tinha como tema: Sonhar, Planejar, Realizar! (Reprodução d SRE de Barra de São Franciso).
Não foi apenas um momento de lazer para os alunos, e sim um tempo para reflexão acerca das diversas realidades.

Depoimentos de alunos:

“Tem uma música que fala de sonhos e uma parte dela é assim: “SONHAR NUNCA DESISTIR, TER FÉ, POIS FÁCIL NÃO É NEM VAI SER, TENTAR ATÉ SE ESGOTAR SUAS FORÇAS SE HOJE TENHO QUERO DIVIDIR, OSTENTAR PRA ESPERANÇA LEVAR E O MUNDO SORRIR...” E sei que o intuito dessa programação foi mostrar a cada um o quão é importante sonhar, e sei que cada um, mesmo que não tenha falado, se sentiu com esperança e com vontade de sonhar” – Letícia Alvim 2ª V01.

“Sonhos sempre serão sonhos, sonhar é acreditar que um dia os objetivos tão difíceis foram alcançados por determinação e força de vontade, não se pode acabar com os sonhos mesmo com as dificuldades. Sonhos são criados para ser realizados. Estude, batalhe e coloque Deus na frente e tudo vai dar certo” – Amanda Ribeiro 2ª V01.

“O tema de ontem mexeu muito comigo  pelo simples fato de que eu sonho muito, e anteontem eu pensava em desistir dos meus sonhos, mas vi aquelas pessoas dando depoimento da vida delas e fiquei surpreendida com tudo que foi dito. Isso me deu forças para eu ir à luta e ver que nada é fácil, mas com força, determinação e fé em Deus tudo pode acontecer, e vi também que não devemos desistir por que as pessoas acham que não vai dar certo, é seus sonhos e você que tem que correr atrás para conseguir alcançar a meta que você quer. Obs.: (“NUNCA DESISTA DOS SEUS SONHOS E TER A ESPERANÇA DE QUE TODOS ELES PODEM SE REALIZAR”) ”. – Catarine Portugal 2ª V01.

“Quem foi que nunca teve um sonho diferente e ficou pensando nele o dia inteiro? A palavra sonho instiga minha curiosidade sobre o que eles querem dizer. E não há limite para quem sonha. Durante o sono, mesmo deitados em nossas camas, podemos voar e nos transformar, e viajar por mundos imaginários e inimagináveis. Por vezes, são sonhos tão positivos que quando acordamos, tentamos até dormir de novo. Os nossos desejos reprimidos podem, de certa forma, ser realizados durante o sonho. Outras vezes, temos pesadelos, ás vezes recorrentes, dos quais temos muito medo, e despertamos assustados. Sonhar é bom, e realizar é muito melhor” – Paola Stinghel 2ª V01.


PUBLICAÇÃO EM CONSTRUÇÃO.
POR: LETÍCIA ALVIM - 2ª SÉRIE V01

















quinta-feira, 29 de junho de 2017

Primeira apresentação LIVE da banda JFIVE!


Nesta quarta-feira (28), alunos da José Teixeira Fialho que compõe a banda JFIVE foram se apresentar na Mostra Cultural promovida pela Escola Viva de Daniel Comboni de nosso município na categoria de Música. 
Este evento contou com a presença de várias escolas regionais da Superintendência de Barra de São Francisco.  Os alunos, logo pela manhã foram muito bem recebidos pelo corredor de palmas da Unidade de Ensino.
Após o café da manhã, os educandos foram direcionados ao auditório onde aconteceram todas as apresentações de dança e que mais tarde performances musicais. As danças tiveram o tema escolhido pelos profissionais da escola, fazendo uma ponte com alguma disciplina que havia sido estudada.
A Escola Viva de nosso município apresentou sobre a Índia e as outras escolas permearam diversos estilos: indiano, carimbó, pop, latina etc. Após as apresentações de dança foi dado o almoço e intervalo para as demais apresentações.
Na segunda parte das apresentações o tema era música, onde cada escola apresentaria uma canção. Várias bandas e grupos das escolas apresentaram medleys com temas ligados às vivências de hoje, críticas à situação do país e até música gospel.
As apresentações foram filmadas, fotografadas e um grupo de jornalistas da escola anfitriã, responsáveis pelo jornal da escola, entrevistaram os alunos convidados.
Os alunos participantes ganharam um certificado de presença e participação da mostra.
E no dia 29 (hoje) teve a continuação do evento com a categoria de teatro.

Fiquem agora com um vídeo de apresentação da banda JFIVE!

Por: Letícia Alvim, 2ª série V01.


video

História de Paulino Leite

Entrevistando uma Senhora, conhecida como dona Nenzinha (Maria Magalhães Brito), de 60 anos que mora no distrito de Imburana/Ecoporanga, descobri que Paulino Leite veio de Jequié- BA para o Espírito Santo com 6 anos de idade e trabalhou com muito esforço, mas tudo o que plantava colhia.
Paulino PT, como é conhecido na cidade, morava em uma fazenda chamada Corgão, de onde tirava seu alimento  com sua família.
Naquela época veio uma decepção para ele e sua família, morre naquela fazenda duas irmãs: Maria e Erenita. Elas estavam doentes de febre e fome, choravam de noite e de dia e o patrão não dava assistência para ajudá-las e seu pai para trabalhar tinha que deixá-las sozinhas.
 Depois disso, seus familiares foram trabalhar em outra fazenda, sendo do Sr. Manoel Pereira, um homem muito bom e fiel, seu novo patrão. Trabalharam bastante tempo naquele lugar e conseguiram comprar uma terrinha perto de um lugar chamado Itamira,. Apesar da vitória, faltava muita água naquele lugar e a terra era seca e tinha muita mata. Já adulto, mudou-se para o Lajeado, morando em “Sete Lagoas’" e se casou e fez sua família. Paulino e sua esposa tiveram lá 8 filhos de sangue, mais uma adotada; segundo Dona Nenzinha.
DA senhora disse que os tempos mudaram e Paulino já tinha uma vida melhor. Agora, PT ajudava muito a população: os que ficavam doentes ele levava para o hospital, os que tinham fome ele dava o que comer. E no ano de 1982, Paulino fez parte de sua primeira filiação sendo o PT, “Partido dos Trabalhadores’’, foi candidato a vereador, disputando com Diu Patez e Délio.
Paulino conquistou o povo ecoporanguense fazendo sua campanha montado em um burrinho e sempre colocando Deus em primeiro lugar. Teve três mandatos e tinha esperança de chegar ao quarto e mudou para o distrito de Imburana com seus pais numa zona rural “Córrego do Facão’’.
Essa é uma pequena parte da história de Paulino Leite, o lavrador que estudou até a 4ª série e publicou sete livros contando a história de Ecoporanga/ES. No dia 27/07 a Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio "José Teixeira Fialho" fará uma homenagem a este artista da terra, não fique fora dessa!

“ O dinheiro compra tudo
Pra isto eu vou explicar
Só não compra sua vida
Na hora em que a morte chegar
Por que da terra nós viemos

E para ela iremos voltar’’.  
(Paulino Leite)

Por: Moisé Antunes Ribeiro, 3ª série V01.